Compartilhe essa Notícia:


Em meio à quarentena para evitar a proliferação do novo coronavírus (covid-19), os moradores de Poção de Pedras enfrentam dificuldades para comprar mercadorias. Quem consegue comprar, alega ter pago valores abusivos em produtos que deveriam custar muito menos.

De acordo com os relatos, muitos proprietários de estabelecimentos essenciais, como farmácias, mercadinhos e algumas lojas, querem mesmo é lucrar de forma desonesta em meio a situação complicada.


O Procon alerta sobre cobranças abusivas envolvendo qualquer item de prevenção à epidemia, ato considerado imoral diante do problema de saúde pública que o Brasil e o mundo estão passando. Em outros municípios, o órgão chegou a multar estabelecimentos envolvidos nesse ato, obrigando os mesmos a normalizarem os preços.

Confira a mensagem de um cidadão enviada ao SITE:

"Não sei mais o que fazer para alguém vir fiscalizar os preços abusivos dos supermercados daqui. Está uma situação horrível, tudo subiu demais nos preços, inclusive alimentos comuns de cesta  básica.

Faz dia que tento falar com o Procon aqui, mas infelizmente não tem em Poção de Pedras. Ligo para Pedreiras, Lago da Pedra e nada. Mas se tivesse fiscalização aqui, tenho certeza não taria esse absurdo. É muito comerciante usando de má fé, atitude mesquinha.

A gente em uma crise dessas e os alimentos lá em cima, eu já cheguei a reclamar em um estabelecimento, e me disseram que é porque já estão comprando tudo caro mesmo. Coisa que custava R$ 35 reais agora por R$ 500. 

Nas farmácias, o álcool gel que chega aqui é vendido por um preço absurdo. Tem muita gente aí sem condições de comprar o básico, enquanto alguns ficam se aproveitando desse momento difícil. Se tivesse fiscalização aqui não estaria esse absurdo."

Enquanto estabelecimentos de alguns municípios não demonstram intenção de se adaptar aos consumidores, visando lucrar com a pandemia, cidades como Pedreiras seguem com os preços normalizados, atraindo diariamente pessoas de municípios vizinhos.

Comentários do Blogger

0 Comentários